terça-feira, 17 de novembro de 2015

Janete


Olho no espelho
E vejo, não o eu que me habita,
Mas uma desconhecida que me fita
Cheia de dúvidas e perguntas
Quem será essa estranha que me acompanha
A vida inteira, cuja voz às vezes me soa desagradável,
Cujos pensamentos carecem de arreio e direção,
Cuja existência, repleta de lacunas,
Transborda incompleta de suas mãos inertes.
Pode o homem viver uma vida inteira dentro de si
E ser um eterno desconhecido?
(Janete)

Beijos da amiga
Claudia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Anderson Marques

Buscai em seu interior todo e qualquer motivo para não seguir em frente e o destino lhe provará que o maior dos equívocos é ac...